[Opitorial] Bob Esponja Moderno


Eu amo Bob Esponja. Foi um dos desenhos que marcaram minha infância, engraçado, e com personagens e momentos memoráveis.

Até que em algum ponto a Nickelodeon resolveu fumar um cachorro-quente com purê de batatas e virou a bela porcaria que é hoje, com seus sitoms repetitivos, irritantes, e previsivelmente sem graça.

Sério, desafio a qualquer um a ver a dobradinha "Sanjay e Craig - Breadwinners" sem querer chorar em posição fetal ouvindo "Two Worlds" do Phil Collins.

Em russo.

Mas outro dia falo de Sanjay e Craig e Breadwinners, hora de falarmos sobre os episódios modernos de Bob Esponja.

E já aviso, algumas descrições e imagens podem ser fortes pra algumas pessoas.


Vamos primeiramente falar de alguns episódios onde os problemas são bem mais evidentes.


-A Farpa (The Splinter)

Um plot simples. Uma farpa entra no dedo de Bob Esponja e ele tenta tirar. Simples até demais para um episódio de 11 minutos, que é preenchido por dor, agonia, e exagero gráfico realista demais pra um desenho animado de comédia.


Vejam bem, slapstick é engraçado porque é algo exagerado. Alguém tendo a cara moldada por um golpe de ferro de passar? Engraçado. Explosão que te deixa inteiramente preto? Engraçado. Piano na cabeça? Engraçado. Morto por um piano na cabeça? Pelo amor de Bob Hoskins, tragicamente hilário.

Então, qual o problema aqui?


O problema é que a farpa no dedo é algo extremamente relacionável, e os escritores e animadores se esforçam pra fazer com que as cenas sejam o mais dolorosas possível.
Oh, e a história continua.

Bob esponja vai atrás da ajuda de Patrick, que joga lixo em cima do ferimento, que faz inchar ainda mais e fica roxo.


Logo depois, seu Siriguejo tira a farpa, e saltam confetes dela.
E depois o velho cascudo leva um banho de pus.
...
É sério.

Imagino a conversa dos TRÊS ROTEIRISTAS que escreveram esse episódio.

Nate: Cara, não acha que é demais dar um banho de pus no Siriguejo?
Sean: Verdade, então bota uns confetes antes pra aliviar.
Steven: Galera, "parte da casa" com 6 letras, alguém sabe?


-Um Companheiro Para Gary (A Pal for Gary)


Esse é um dos sinais de burrice extrema dos personagens.

Bob Esponja se preocupa que ele passe o dia fora trabalhando e Gary se sinta sozinho em casa (na verdade Gary fica muito bem comendo porcaria e assistindo faroeste, coisa que qualquer pessoa normal com acesso a YouTube/TCM faria), então ele compra um  monstro de Yu-Gi-Oh pra fazer companhia pra ele.

O problema já começa quando Bob compra o tal bicho, que não escuta a Dona Estranha Cigana dizer que os bichos podem ficar muito agressivos caso eles estejam com outro bicho de estimação.


Gary fica com medo e evita o bicho novo, e Bob entra naquele estado de "ow aprendam a dividir", "Gary não seja mal educado, brinque direito com seu novo amiguinho", etc.

E então Gary começa a fugir do bichinho novo. A noite toda. E Bob Esponja sequer acorda.
Ao acordar, Bob nota a casa com alguns probleminhas (portas e forro caindo, biblioteca pegando fogo, roupas rasgadas) e imediatamente conclui que Gary está com ciúmes.
E então ele encontra Gary na seguinte situação e grita de pavor.


E eu juro, o que ele diz nessa situação é algo que não seria engraçado nem em paródia de desenhos oitentistas.
"Ponha o Fluffy no chão agora! Menino mau, Gary! Menino muito, muito mau!"


...
SEM MAIS PERGUNTAS, MERITÍSSIMO.

Não, nem vou me dar ao trabalho de terminar o episódio. Não. Hm-hm. É daí pra pior, eu juro.
Não tem plot, não tem comédia, personagens fora do personagem, e há uma alta probabilidade de assustar crianças.



-O Bebê Lula (Squid Baby)

Antes de mais nada, esse é aquele mesmo episódio que o Bob e o Patrick cuidam de uma ostra. O que mostra um desgaste geral na série.

O episódio começa com Bob Esponja e Patrick brincando com os brinquedos de Bob de quando ele era um bebê. E depois começam a imitar bebês.
...que jeito de começar.


Então Lula tropeça nos brinquedos, bate a cabeça, que incha, e ele começa a agir como um bebê. Bob Esponja (agora inteligente) acha melhor levar Lula ao médico. Patrick o ajuda, com a cabeça de Lula pendurada e batendo no chão no processo.

E sim, essa informação é necessária, pois esse é um característico "Pornô de Tortura Lula Molusco™".


Em uma série de comédia, normalmente há regras de carma. Se um personagem faz algo ruim, ele deve ser punido. Isso é parte da comédia, de certa forma. Até mesmo mocinhos podem virar anti-heróis, em alguns casos.

Há histórias do Donald onde ele começa impedindo os sobrinhos de irem pescar, e os leva a um torneio de golfe. Nesse momento, ele é o vilão. Até que ele faz uma aposta com Gastão, e os sobrinhos os ajudam a vencer pra irem embora mais cedo. Então agora Donald leva a torcida do leitor, naturalmente.

Normalmente, o Lula está numa posição meio que do Donald. Mas em um PTLM, a lógica é: "se (Lula Molusco); punir (Lula Molusco;)". Sem rima ou razão, sem motivo ou necessidade. Voltarei a esse tópico depois.


Enfim, basicamente o episódio é Bob Esponja e Patrick cuidando de Lula Molusco de uma forma bem semalhante a de tomar conta de um bebê. O que é meio arrepiante se você pensar que é o Lula Molusco. E que eles estão constantemente machucando-o.

Ah, e o Siriguejo diz que não importa se ele tem a mentalidade de um bebê, contanto que ele trabalhe.
O que me leva ao próximo episódio...



-Bob Esponja, Você Está Despedido! (Spongebob, You're Fired!)


Bob Esponja começa o episódio fazendo o trabalho Severino Multiuso de sempre: limpa o restaurante, faz os hambúrgueres, tudo com habilidade ímpar.


Aí Seu Siriguejo chega e demite ele.
Porque?
Porque cortando o salário do Bob Esponja ele vai economizar cinco centavos.
...

Perdão, esse é o mesmo Siriguejo de "Siriguejo Nasce de Novo"? Onde ele vende o Bob Esponja ao Holandês Voador por uns centavos, e depois se arrepende amargamente?

Uma coisa é o personagem ser mesquinho, mas humano.É uma característica que pode gerar muitos momentos engraçados e memoráveis, e também momentos de sincero heartwarming. Tio Patinhas e Julius Rock tão aí pra provar isso.

Mas o Siriguejo atual chega a pontos que o tornam quase um anti-herói, ou mesmo o vilão, como veremos no próximo episódio.



-Refeição Grosseira (One Coarse Meal)


Quem me acompanha sabe que eu gosto de usar analogias ou piadinhas na hora de descrever algumas ideias ou plots. Como Darth Vader sendo o filho do Exterminador do Futuro em Um Herói de Brinquedo.


Pois bem, eu vou tentar ser o mais direto possível. Sem piadas, sem analogias, nem nada.
Seu Siriguejo descobre que Plankton tem fobia de baleias, porque seus ancestrais foram comidos por baleias como a Pérola (ignoremos por um minuto que cachalotes não comem plâncton e que isso provavelmente seria crime nesse mundo).

 Então ele faz uma fantasia de Pérola e começa a perseguir e assombrar Plankton, que chega a se isolar em casa em paranoia profunda, chegando a se estirar no meio da estrada esperando ser atropelado.


Em resumo, Seu Siriguejo persegue Plankton incansavelmente até que Plankton decide se matar.
Seu Siriguejo leva Plankton a tentar o suicídio.
E ainda ri quando Bob Esponja diz que o Plankton está estirado no meio da estrada esperando um caminhão passar por cima dele.
...

Isso ao menos parece um plot de uma série de comédia voltada para crianças?


Porque nem pra humor negro isso serve, é cruel demais, e sem propósito. Siriguejo e Plankton tem um histórico de rivalidade, e só. É como o Tio Patinhas e o Mac Mônei, é um duelo entre cavalheiros (mesmo que Plankton trapaceie algumas vezes), a vitória deve ser por meios estratégicos e de igual pra igual, não por meios sádicos e perturbadores.


Fora que, no final do episódio, Bob Esponja também faz terrorismo psicológico com Plankton (o que contraria o que ele mesmo diz mais cedo no mesmo episódio, que é de boa natureza e nunca faria mal a alguém). E Siriguejo é recompensado no final com... Se livrar de Plankton por um tempo. Ou seja, o episódio não leva a nada, por nada, não é engraçado, e nos faz odiar o Siriguejo por ele estar justamente na posição de vilão maquiavélico.


Além de tratar a depressão e paranoia, além do suicídio como algo banal.

E já que falamos nisso, vamos tirar esse elefante na sala logo.



-"Está Feliz Agora? (Are You Happy Now?)

Esse é um dos episódios que está disponível no próprio site da Nickelodeon e você pode vê-lo dublado e sem peso na consciência.
...kinda.

Antes de tudo, um background. Há uma creepypasta chamada O Suicídio do Lula Molusco, que, se parar pra pensar, ela é ridícula, mas que sim, consegue dar medo em alguns (incluindo este que vos fala). Alguns teorizam que esse episódio veio baseado nos rumores que a creepypasta cita. E, considerando os episódios listados nesse texto, eu acredito. É como se os roteiristas e produtores estivessem implorando pra série acabar, e entraram num modo "eu não ligo a mínima pro que vão dizer, só quero meu pagamento no final do mês" tão alto que faria Silvio Santos repensar seu modus operandi atual.

Oh, well. Para o episódio, então.


Bob Esponja está juntando num álbum todas as suas memórias felizes no Siri Cascudo, e Lula Molusco descobre que não tem nenhuma memória feliz. Então Bob Esponja tenta criar algumas com Lula, levando ele a atividades que ele gosta (relacionadas a arte), que acabam dando errado de maneiras catastróficas, física e psicologicamente pro pobre Lula. (Ainda assim, temos que dar crédito ao Bob, ele pelo menos tá tentando ajudar, da forma certa. Ao contrário de certas estrelas-do-mar, como veremos mais adiante).

Após a última tentativa, Lula Molusco se isola em sua casa, e Bob fica preocupado (levando-o a dizer, aliviado, "Pelo menos vi que ele tá vivo.") E então seguem-se várias piadas que levam o espectador a pensar que Lula vai de fato se matar (o que nunca ocorre).


O que poderia talvez ser engraçado em uma série voltada a adultos, e onde a depressão não seja retratada de forma tão realista (dá pra fazer um baita estudo de semiótica na casa do Lula no estado de depressão). Engraçado porque é algo que te pega de surpresa, mas só. Ainda assim, creio que seria um grupo bem seleto de pessoas que acharia isso engraçado.

O principal problema do episódio é retratar a depressão de forma extremamente realista. Não sou contra programas voltados a crianças falarem sobre problemas do mundo real, ou de forma realista, mas precisa-se de um estudo ao redor do tema, e testes. Sesame Street engavetou um episódio onde seria abordado o divórcio por quase 20 anos, porque sentiram que havia muitas falhas no roteiro, e as crianças que participaram dos testes não entenderam a mensagem. Do mesmo modo com o episódio da morte de Mr. Hooper . Há estudos, há pesquisa, há consultoria, para que nada seja traumático, ou assustador, ou que passe a mensagem errada.

Mas aqui, como eu falei, a produção ligou o modo "dane-se, só quero meu pagamento no final do mês". "Falem bem, falem mal, mas falem de mim."


E mais, em isso tudo que falei acima, eu desconsiderei de que BOB ESPONJA É UMA SÉRIE DE COMÉDIA. Puramente comédia. Não precisa adentrar profundamente na psique dos personagens, não precisa ter plots megalomaniacamente complexos, só um slice of life surrealista e nonsense. "Ah mas Friendship is Magic adentra a psique dos personagens" Mas Friendship is Magic faz isso de forma certa, nunca vai tão longe, ou dá traços tão bizarros (a menos se você for um 4channer procurando demais), e é uma série mais voltada a aventura, podendo ter um balanço entre aventura e comédia.

Sim, Bob Esponja também tem seus episódios mais de aventura, mas ainda assim, a veia cômica é mais forte. É o mal entendido, as missões absurdas que são passadas aos personagens (como no episódio da Pizza do Siri Cascudo, é uma aventura, mas é levado a níveis nonsense). FiM tem que manter o equilíbrio entre a aventura/slice of life e a comédia (e o faz muito bem), personagens complexos vem no pacote. Em comédias, os personagens precisam ser pelo menos sólidos o suficiente para serem engraçados, complexidade é um fator extra.

Uma coisa é alterar, por exemplo, os dias de feriado do Siri Cascudo em prol do plot, outra é...



-"A Figurinha" (The Card)

...isso.


Eu sei, muitos de vocês se lembram desse, eu lembrava vagamente, na verdade.
O plot é o seguinte: Bob Esponja faz coleção das figurinhas do Homem Sereia e o Mexilhãozinho, e há uma figurinha raríssima, holográfica, e com som. Bob Esponja gasta todas as economias comprando quase todos os pacotes em busca da tal figurinha, mas não encontra. Patrick compra o último pacote, e nele vem a tal figurinha.

Então Bob Esponja faz um acordo com Patrick de no final do dia, a figurinha passar pra ele. O problema é que o Patrick usa a tal figurinha o dia todo em diversas situações (de palitar os dentes a fazer churrasco), todas na frente de Bob Esponja, assistindo a agonia de seu melhor amigo, que chega a chorar ruidosamente em certo ponto. E Patrick não dá a mínima.


E no final, a figurinha vira pó, e Patrick diz que se o Bob quisesse, era só ter pedido mais, porque o pacote dele veio com 5 figurinhas daquela.

Oh, e há certo ponto no episódio onde Patrick faz uma burrada que põe em risco a figurinha, Bob Esponja pergunta o porque daquilo, e ele responde "Você não pode esperar sempre meu mesmo nível de estupidez, eu gosto de misturar".


Não é uma boa desculpa quando você tortura psicologicamente seu melhor amigo, fazendo-o mover mundos e fundos pra salvar a figurinha tão amada, que aliás, também devia ser bem cuidada pelo Patrick, que também é um grande fã de Homem Sereia e Mexilhãozinho.

O que me leva a crer que ele fez tudo isso de propósito, caso contrário o episódio terminaria com "toma, pega outro, veio 5 dessas no meu pacote".
Mas então, o próximo episódio...



-"Presos Nos Rolos Espremedores" (Stuck in the Wringer)


...consegue ser ainda pior.

O episódio começa normal, um típico dia na vida de Bob Esponja. Tomar banho, se secar no rolo espremedor. Aí ele fica preso no rolo espremedor.

Normalmente isso seria uma gag normal, e sim, devo admitir que tornar ela ser o foco do episódio é uma jogada interessante.

Até o momento que o Patrick chega pra ajudar e passa cola permanente no Bob Esponja.

...perdão, o quê?


COMO RAIOS ALGUÉM CONSEGUE SER TÃO IDIOTA ASSIM?

Patrick era um cara idiota, mas ele não chegava ao nível criminal. Isso porque esse artigo já tá imenso e vou poupar vocês de "Pat, Babá de Mascotes" (Pat Sitter Pat), porque ele é meio que remake do "Um Companheiro para Gary" com Patrick como vilão.

Enfim, IT GETS BETTER!

Bob Esponja não consegue trabalhar direito e acaba machucando quem está ao redor, e Patrick tenta ajudá-lo levando-o ao parque de diversões.

Onde Bob é surrado por tudo e por todos, e Patrick fica de boas. Até que Bob surta e briga com Patrick (tendo uma multidão como plateia). Bob está certo em ficar com raiva de Patrick, claro.
Mas Patrick sai chorando dizendo "Eu só queria ajudar!", o que faz a multidão ficar com pena do CARA TODO LASCADO E QUE QUASE MORREU POR CULPA DO OUTRO. Qual é a lógica? O cara que saiu chorando tá certo porque ele tá arrependido, porque ele quis ajudar? O cara lascado e que quase foi morto tá errado? E eles ainda dizem que a culpa é do Bob e o fazem se sentir culpado! Onde se passa essa história, no Brasil?


Eu senti uma genuína vontade de socar cada um daqueles personagens na multidão, sério mesmo.
Ah, e o final. Patrick chora arrependido e as lágrimas soltam Bob Esponja.

Então, crianças. O que aprendemos hoje? Que chorar resolve seus problemas, afinal.

...não, é sério. O Bob diz exatamente essas palavras. Olhando pro público.

Eu nem consigo fazer uma piada com isso.



-"Visita Do Lula" (Squid's Visit)


Começa com Bob Esponja chamando Lula Molusco pra ir na sua casa, e Lula educamente recusa. Bob Esponja então começa a chorar agarrado aos pés de Lula, seguindo-o por todos os cantos (primeiro sinal do episódio).

Patrick sugere que Bob Esponja pegue emprestado (a.k.a. roubar) algo do Lula pra que o force a ir pra casa dele.

Lula ouve barulhos e vê um bilhete de Bob dizendo que levou o aspirador de pó dele. Lula vai pra casa de Bob pra pegar de volta, e a casa de Bob está exatamente igual a de Lula.
É uma exata réplica.


Bob Esponja ficou tempo demais na casa de Lula pra copiar o menor dos detalhes, inclusive o bordado da mãe de Lula. Bob age como se fosse um stalker do tipo mais perigoso, quase um estuprador, por assim dizer. Ele ouve um "não" e entende como "sim" e ninguém vai impedir ele de agir como quer e ouvir o que quer.

Além de  torturar psicologicamente o Lula Molusco, no final a casa original é queimada.
Ou seja, Bob Esponja é um stalker doente.



-Ignorante na Corrida (Demolition Doofus)

E como a cereja do bolo, esse episódio. Que assim como "Você Está Feliz Agora?", está no site oficial da Nickelodeon (a partir de 11:40).


Começa com Bob Esponja indo pra (mais uma) prova de pilotagem, até que por ele ser um imbecil retardado ele bate nos carros ao (tentar) fazer a baliza, incha a Sra. Puff, e explode o carro.
Batendo no farol.

No hospital, o médico explica que a bexiga inflatória ou algo assim estourou e que a Sra. Puff nunca mais vai poder inflar de novo.
Aí o Bob Esponja faz piada e a Sra. Puff tenta esganar o nariz dele.


Justo, se me perguntar. Bob Esponja aqui é aquele cara desagradável que pergunta pro outro que faz tratamento de câncer "Tá fazendo quimioterapia? Massa, bixo! Na federal?"

E durante TODO o episódio a Sra. Puff faz questão de deixar bem claro que não quer de jeito maneira Bob Esponja por perto, e ele age como se nada estivesse acontecendo.

E embora eu compartilhe (nesse caso) do desejo da Sra. Puff de dar umas mãozadas no Bob, ela leva sua ira além.


Ela descobre sobre as corridas mortais de carros-monstro, e pensa em mandar Bob pra lá.
Ok, essa imagem pode ser só metafórica, certo? Ela não seria tão cruel assim.

Certo?

CERTO??


A luta começa e ao ver que Bob continua intacto (mesmo sem não fazer ideia do que está acontecendo, diga-se de passagem), ela começa a gritar coisas como "Isso não está certo", "Esmaguem o Esguichador" (apelido dado a Bob na luta), e, o que mais me chocou, no original em inglês (porque foi adaptado pra fazer um trocadilho em português), "Porque ainda está vivo?"

Prestem atenção nessa frase. Não "Porque ainda está de pé", ou "Porque não está ferido". "Vivo" é a palavra usada. Sra. Puff quer literalmente, exatamente, diretamente, ver Bob Esponja morto, sem alma, enterrado. E se bobear, vai passar o enterro todo gargalhando.

Hey, Seu Siriguejo também sentiu um prazer delirante ao torturar Plankton, não duvido que eles fariam a mesma coisa aqui.

Bando de mentecaptos.


E então Sra. Puff resolve que "se [CENSURADO] não vai à montanha, então a gente passa por cima dela quebrando geral".
E no final Sra. Puff volta a inflar, mas a escola de pilotagem é reduzida a pó no processo de perseguição.

Ou seja, nada com nada chega a nada.


Eu não vou mentir. Esse foi um dos episódios mais difíceis de assistir, pessoalmente. Eu sempre tive um apreço pela Sra. Puff, justamente por ela ser aquela professora de escola pública brasileira, que nunca desiste de seus alunos pelo amor de ensinar.

"Mas Capão", você pode se perguntar, "teve aquele episódio que o Lula dá uma torta-bomba pro Bob Esponja, cadê ele?"

Acontece que aquele episódio tinha coisas que esses da lista não tem. Como piadas de fato engraçadas, personagens agindo exatamente como devem agir, e momentos genuinamente tocantes. Esse episódio torna Lula um pouco mais humano. Sim, ele não suporta Bob Esponja, mas ao descobrir o que ele fez ao pobre rapaz, resolve passar o dia todo fazendo tudo que o Bob mais queria. Lula nunca quis matar o Bob, aliás, foi um mal-entendido criado por um pirata ganancioso.

Esses episódios que eu citei... Não são só ruins. Eles chegam a serem danosos. Muitas vezes séries pra criança são subestimados, e por serem "coisa pra criança" são ignorados. Mas justamente por serem pra criança é que eles tem uma responsabilidade imensa.

Do fundo do meu eco, eu não quero acreditar que esses episódios tenham sido feitos por mal. Não quero acreditar que eles foram feitos pra fazer mal às crianças. Quero acreditar que eles são sinal de uma série que pede há tempos pra morrer, porque já deu tudo que tinha que dar. Assim como Padrinhos Mágicos.

E sim, eu defendo muito o que Carl Barks disse sobre o politicamente correto. No entanto, é necessário haver primeiramente um propósito no quão politicamente incorreto você vai ser, e ainda, analisar seu público-alvo e pensar como eles provavelmente vão reagir.

Coisa que a Nickelodeon tá pouco se lixando, bota qualquer merda aí, Sanjay e Craig, Breadwinners, sitoms sem graça, vinhetas irritantemente agudas.

Agora, não vou fazer de conta que não existem bons episódios modernos do Bob Esponja. Eles existem e merecem crédito. Mas não tiram a culpa dos episódios citados aqui.

"Ninguém liga mesmo, são só crianças."


(Obrigado à minha amiga Patty Gunther por ter me incentivado a escrever esse artigo.)


5 comentários:

  1. Eu realmente tenho uma preocupação sobre o que andam passando atualmente para crianças. Eu critico bastante os desenhos atuais do Cartoon Network por exemplo... Seu o quão Hora de Aventura e atualmente Steven Universo são aclamados, mas há muita coisa errada ali para ser colocada em um desenho para crianças, se fosse em um Adult Swin eu simplesmente não me importaria.

    Eu chamo essa era de era "Psicodélica" (Para não chamara de "Era Dorgas") dos Desenhos animados.

    Tenho a sensação de que tudo isso foi resultado de uma competição entre CN e Nick. Bob Esponja sempre foi muito famoso e acredito que em resposta a isso CN criou coisas como Chowder, Flapjack e Hora de Aventura, utilizando conceitos bizarros, porem, aumentando muito mais essas características. (Posso estar enganado, mas se você prestar a atenção, Chowder e Flapjack puxam algumas características de Bob Esponja).

    Acredito que como consequentemente CN voltou a ficar em alta com esses desenhos, Nick aumentou sua dose de "loucura" em seus desenhos e Bob Esponja foi a cobaia principal... Raios, já assistiu o episódio Bob Molusco Calça Tentáculos? Aquilo é a ápice desse período estranho, aquela cena final facilmente é capaz de perturbar uma criança sem muito esforço.

    Sanjay & Crag assim com Breadwinners também me parecem mera tentativa de imitar o estilo do CN, mas sempre utilizando as caracteristicas de modo errado. Sério... Se Sanjay & Crag foi criado para competir com Apenas um Show, ele falha miseravelmente por não compreender que Apenas um Show não é só um desenho com piadas sobre bundas, mas sim uma animação dedicada a se focar em paródias a coisas antigas e modernas.

    Acho que um canal levou o outro ao caminho que se encontram agora. Não estou dizendo que os desenhos atuais do CN sejam essencialmente ruins também, mas neste caso, eu diria que estão no "lugar errado" e para o "publico errado".

    Um jeito legal de se fazer um desenho realmente interessante e profundo para o publico infantil, mas sem "quebrar" os limites do que uma criança pode ver, é o que vemos em Gravity Falls por exemplo. É um desenho sobre misterios, todo o enredo e personagens são trabalhados, mas nada ali é algo que possa se perturbar por estar sendo feito para crianças. Na verdade você percebe isso quando vê que até as paródias de GF são mais "entendíveis" que o de Apenas um Show. Digo... Acredito que até eu não consigo sacar metade do conteúdo que Apenas um Show faz referencia, imagino uma criança... Mas qualquer um é capaz de notar que um episódio de Gravity Falls faz paródia a Street Fighter ou que Giffany é a típica personagem Japonesa que aparece em animes ou jogos.

    Sei lá... Acredito que os canais infantis atualmente estão em uma situação caótica (Outras indústrias também estão) e Bob Esponja é apenas uma vítima de tudo isso. Tem também o problema da Nick e Disney se focarem muito em seriados Teen, mas acho que isso é uma situação bem distinta por um motivo bem a parte disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que a gente tem hoje também é que as crianças dos anos 80/90 cresceram, e continuam gostando de desenhos pra criança (veja nós, lol). E nós somos um filão consumidor imenso. Então eles começam a fazer esse tipo de coisa pra nos atrair, e às vezes se esquecem das crianças propriamente ditas.

      Um negócio horrendo que eu venho notado, no entanto, é que as crianças de hoje não querem ser crianças. Sim, tem uma fase na vida que isso acontece e blablabla. Eu ainda acredito que essas séries "teen" tenham uma certa influência nisso, mas eu precisaria pesquisar melhor pra ter certeza.

      Parece que a aposta da Nick é a famosa "falem mal, mas falem de mim". Pega a grade de programação dela e compara com, sei lá, 10 anos atrás. Tinha coisa boa, coisa com conteúdo, com cérebro. Coisa até que hoje é trabalho do CN, fazer desenhos pra criança com piadas adultas que elas não entendem (ou não, ainda lembro do episódio que o Vacão faz uma festa nudista no quintal do Rocko). Ren and Stimpy, Rocko, eles eram nojentos, adultos e grosseiros, mas não eram tão irritantes como Sanjay e Craig ou Breadwinners. Esses dois últimos são o equivalente a balançar as chaves pra distrair um bebê, enquanto Ren and Stimpy tinha um controle auditivo, se permitindo ter pausas e momentos de pico.
      E tinha desenhos humanos, maduros, sem deixar de ser pra crianças, como Hey, Arnold!.

      Disney, CN e Nick tão apelando pro público que eles conseguiram conquistar. CN com o pessoal ~descolado~, ~games~, ~nerdhipster~ (eu ainda tenho náuseas quando vejo isso https://www.youtube.com/watch?v=N3vzQYVKLzs "fanática por jogos e games" >JOGOS >E >GAMES)
      Disney com aquele feeling de família, mas Disney Channel focado mais em sitcoms teen, às vezes um mais família, e o resto pra crianças (Gravity Falls e Phineas e Ferb). Ainda assim eu vibro cada vez que passa Os Vilões da Disney, porque é o mais perto que a geração atual vai ter de ver a epicidade do House of Mouse.
      Disney XD tá quase um CN, agora até gameplay comentado de jogos fictícios eles botam nos comerciais e no site
      Nickelodeon com o pessoal que quer um entretenimento rápido, barato, e imbecil.

      Séries teen são uma questão um pouco diferente, mas ainda dá pra analisar praticamente no mesmo contexto.

      E bem lembrado desse episódio, eu fui pesquisar e http://spongebob.wikia.com/wiki/SquidBob_TentaclePants#Production
      ...[war flashback]

      Excluir
    2. Essa é uma situação interessante e que as vezes pode colocar as empresas em um difícil dilema. Por exemplo, não é de hoje que vemos coisas "mudar" um determinado desenho para a nova geração e a antiga reclama... Temos como um exemplo, Saint Seiya Omega. As reclamações nesse caso são maiores se comparado a gerações passada, porque parte da indústria até então não tinha percebido que a nossa geração é diferente da geração dos nossos pais.

      Na geração dos nossos pais, um grande numero de jovens ao se tornarem adultos seguiram uma linha de pensamento de que tinham que deixar "para trás" coisas da juventude pois agora eram adultos, por isso é bem incomum os nossos pais terem ainda algum interesse por algo que eles acompanhavam em sua juventude.

      Essa linha de pensamento já não é mais tão forte na nossa geração, somos muito mais apegados a coisas que marcaram nossa vida, o que eu particularmente considero mais "correto"... Afinal, se você gosta de algo, envelhecimento não deveria ser um motivo para parar de gostar. E isso nos faz mais presentes em uma indústria que "esperava" que não estivéssemos mais por perto a esse ponto das nossas vidas, mas surpreendentemente ainda estamos. O que gera o típico conflito "Estão estragando o desenho que eu gosto!", para a empresa, na teoria nós não deviríamos estar nos importando mais com aquilo.

      Mas ai vem a situação que você falou... Eles percebem que ainda estamos aqui e somos um grupo grande de consumidores e começam a investir em um conteúdo que tente nos atrair. Mas ai entra o outro "problema", eles não estão tentando conquistar nós com conteúdos "das antiga", estão tentando colocar características mais voltadas para um publico mais adulto, o que contradiz completamente o fato de que o desenho é voltado para crianças e se encontra em um canal infantil (Ai entramos em situações que acontecem bastante em Hora de Aventura por exemplo ou até mesmo Steven Universe, mas esse segundo... Acho que o problema se encontrar muito mais na cabeça/mentalidade da roteirista do que nessa questão do publico).

      Levando tudo isso em conta, acho que os canais apenas não sabem lidar ainda com a situação. Eles ainda não aprenderam a equilibrar as coisas, um desenho para crianças mas que também seja capaz de manter nós mais velhos satisfeitos. Ou eles acabam fazendo algo só focado no novo publico, o que nos deixa enfurecidos, ou acabam fazendo algo demasiado "adulto" num canal para crianças, com conteúdos nada recomendável para menores.

      Eu particularmente espero que eles tenham noção dessa situação e estejam no caminho "Vivendo e aprendendo", ao invés de simplesmente se contentar e colocar conteúdo adulto disfarçado no canal. Ora, até nosso País está começando a aprender... As animações Brasileiras eram essencialmente infantis, era uma mentalidade chata dos estúdios Brasileiros onde esses desenhos como Tomba Trem e Brichos acabam sendo desenhos muito voltados a crianças pequenas de 1 a 6 anos, com coisas bobinhas e aquela mesma e mesa mensagem ambiental repetitiva. Uma criança de 7/8 anos perde um interesse muito fácil nessas coisas. Eles eventualmente estão aprendendo e agora animações como "Irmão do Jorel" e "Historietas para Crianças mal criadas" já não são tão infantil nível bobinho.

      Excluir

    3. E sobre os Seriados Teen... Eu falei que ele se encaixava em outra situação, por causa daquela época que o canal Boomerangue começou a se focar só nessas coisas. Bem antes da Disney e Nick começarem a exagerar nisso. Se não me engano, o que fazia isso acontecer era que as crianças estavam cada vez menos assistindo TV, então eles simplesmente decidiram se focar nos adolescentes, se focando nessas coisas. (Vai saber o porque... Nunca gostei da maioria desses seriados... Aquelas feitas por Dan Schneider, na minha opinião, foram ficando cada vez menos engraçadas. Era hilário com Drake & Josh, mas iCarly era menos engraçado embora ainda tinha seus momento, Victorious foi uma desgraça no quesito comédia e Sam & Cat não chegava a ser tão bom também mas conseguiu ser mais engraçado que Victorious). Mas é... Era meio que essa outra questão que eu estava falando dos Sitcom Teen.

      Excluir
    4. Esses caras às vezes se esquecem que o pessoal mais velho já foi criança, e que dá pra fazer algo inteligente e dialogando com crianças e adultos praticamente no mesmo nível.
      Tem um episódio do House of Mouse que 3 macacos críticos reclamam que o desenho do Donald tá muito violento, e mandam que façam mudanças. Mudanças essas que tiram totalmente a graça da comédia física, como botar boia no Donald, efeitos sonoros dolorosos substituídos por efeitos sonoros agradáveis, música calma... É uma crítica que adultos entendem bem, e algumas crianças entendem, até porque a situação é bem explicada.

      Sobre os sitcoms: Kenan e Kel era engraçado porque era um slice of life exagerado, Drake e Josh seguiu a mesma linha (a Megan era praticamente o Dexter do mal). Aí veio iCarly e... "Eh". iCarly tentou ser um misto do slice of life absurdo e incluir algo da moda... Às vezes funcionava e outras não... E com o passar do tempo, sofreu da Síndrome Marathon: os episódios eram praticamente os mesmos.

      Excluir