[Vende-se país usado, tratar inbox]



Vamos fazer um pequeno exercício criativo aqui. Sem resenha, opinião, só imaginar.

Como sabemos, o Brasil tá lascado. Nossa sociedade vive uma guerra civil fria, nossa cultura tem tanta qualidade quanto aquela antena de 3,99 que tu comprou no Centro (ou 25 de Março, sei lá onde tu mora), e nossa economia tá indo pras cucuias.

Então, uma das possibilidades para salvarmos nosso país e nossa gente seria uma reforma geral na política, certo?

Mas quem teria grana e liderança boas o suficiente pra acordar essa nação?

Valdisnei.




A Walt Disney Company é um grupo imenso, tem tanta empresa junta que você se espanta. Fica mais estranho quando você nota que o filme do Mario (aquele com Bob Hoskins) tem dedo da toda-poderosa.

Eles já cuidam dos trocentos parques, cuidar de um país não deve ser muito diferente. Então, visto que nossa situação só pode ser resolvida por uma empresa que faz coisas como Operação Cupido e O Meu Melhor Companheiro, eu criei algumas teorias com alguns amigos sobre como seria nosso país no comando da Disney.

Então vamos lá.


Estrutura geral


Pra começar, algumas mudanças devem ser feitas. Para que o país possa voltar a ter uma economia forte no campo de turismo (porque aparentemente é só pra isso que a gente serve), cada capital vai ter uma amostra de Disneyland. Em Fortress City, o Beach Park vai ganhar uma área dedicada aos estúdios do camundongo, com atrações baseadas nos parques aquáticos, e com atrações exclusivas.

Lojinhas de souvenires também estarão presentes, incluindo um globo de neve da foquinha do Beack Park com a Ariel.

Os produtos Disney também estarão mais fortes. A franquia Fantasia vai se expandir, e sua presença será consideravelmente mais forte (já que aqui em Fortress City costumava ter 3 ou 4, agora só uma).

Cultura

Como grandes marcas (como Jim Henson, McDonald's, CEFET), Disney procura ter um bom conhecimento de outras culturas. Então, sim, as grandes bases da cultura brasileira irão permanecer, tais como samba, futebol, farofa, feijoada, e cachorro-quente com purê de batatas. Mas, como toda reforma, o que for ruim iremos ter de abrir mão, como corrupção, gambiarras ilegais (o pai do Pimenta Marinha tá limpo), sonegação de imposto, e programas de auditório de domingo à tarde.

Zé Carioca assistindo
Domingo Legal


Obviamente, vai ter um foco muito grande nas produções Disney. DVDs e Blu-Rays, bem como quadrinhos terão uma distribuição melhorada. Será criado o selo Disney Brazil, focando em produções feitas em terras tupiniquins, tendo Zé Carioca como mascote e representante. Sim, desenhos, séries, filmes e quadrinhos feitos no Brasil por artistas disneyanos. “Mas já não tinha algo assim aqui, especialmente nos quadrinhos?” Sim, mas agora a Disney vai dar uma imagem muito mais visível a isso como se fosse a nona maravilha do mundo.

Também teremos canais Disney na TV aberta, com aquela programação mais ou menos que todos já conhecemos. A ABC irá controlar uma emissora, o SBT, e teremos a exibição de séries como Once Upon a Time e the muppets.. (A propósito, a série dos Muppets tá começando a ficar um pé no saco)

Profissionais Disneyanos (ou ABCianos, sei lá) agora vão ter seus dedos nas novelas e séries brasileiras, elevando o nível de qualidade. Ao menos visualmente, vocês conhecem a Big D.

Com a qualidade artística e técnica das paradas, o festival de Parintins será melhor do que nunca, tentando manter os aspectos originais, claro.

Com uma ou outra mudança…




Economia

"Aí vem um furacão..."

Todo mundo fez piada com a alta do dólar. Eu, você, o Snoop Dogg, todos fizemos nosso papel de brasileiros e zuamos nossa própria desgraça. Com Disney no comando, teremos (mais) uma nova moeda: o Dólar Real. (com o “D” estilizado e as faces dos personagens icônicos nas moedas e células, mas depois acertamos isso). O Dólar Real acompanhará de perto o crescimento do Dólar, que servirá inclusive pra facilitar a entrada de turistas no país. Seremos um país produtor e exportador de, além dos produtos já conhecidos (laranja, cereais, atores), também fabricaremos e exportaremos memorabílias de Vingadores, Frozen, e o que mais tiver em alta, gerando emprego e criancinhas felizes.

Ah, e pelúcias de um certo rato chamado Mickey, caso sobre uns trocados.

E um detalhe obrigatório, a moeda de 10 centavos terá o rosto do Tio Patinhas.


Política




Sim, teremos aquela tão falada reforma política. Disney exige perfeição no que faz (ou ao menos exigia), então os corruptos serão punidos e os bens e dinheiro retornarão ao governo. O presidente da Câmara será alguém de confiança de Robert Iger, atual CEO da companhia, então terá uma ligação direta com o chefão.

O sistema será o de uma monarquia, tendo como rei e rainha Mickey e Minnie, e líder político o indicado por Robert Iger.

Como a Disney também é dona dos Muppets (eu juro como isso AINDA soa estranho pra mim), teremos grande chance de termos Cabo Fela como deputado ou Ministro de Segurança, já apoiado pelo seu parceiro de longa data o também político, Ely Aguiar.

Finalmente teremos alguém que mereça toda nossa confiança dentro do meio político.




Forças Armadas


Na teoria, pouca coisa mudaria. Mas agora os nossos militares terão uma ajuda especial. Teremos espalhadas pelo país a LudoSport, uma genuína academia Jedi.
É sério, vejam o site. É uma academia Jedi, só que sem a parte de filosofia (até onde sei).

Enfim, teremos academias ludosport aqui, e embora o intuito seja de competição mesmo, a gente sempre pode contar com nossos amigos de espadas coloridas caso precisemos.
Ou com os Vingadores, mas esse é (era) um projeto secreto do Sebastian.

"Você já ouviu falar da Iniciativa Cavaleiros do Zodíaco?" 


E pensem como vai ser massa o desfile militar no Dia da Independên… Oh.


Esporte

O grupo costuma fazer uma penca de trabalho humanitário, ajuda crianças carentes e etc. Então vá lá, dá pra criar um monte de ONG de esporte (sem falar que seria massa se eles tentassem trazer o baseball pra cá, né Mary?).

Fora que o uniforme da seleção brasileira teria algumas mudanças:



E eu já mencionei que a ESPN é subsidiária da Disney? Pois é.


De qualquer jeito, na situação atual, o negócio mesmo é tentar dar um reboot geral nessa bagaça.

Só esperemos que eles não confundam “reboot” com “remake”.



(Agradecimentos especiais aos amigos que ajudaram a fazer esse artigo: Complexo, Àlvaro, Wiru-san, GuiNRouanet, Vinix, Guilherme e Lucas)

0 comentários:

Postar um comentário