Watership Down (Uma Grande Aventura)



Então, chegou a páscoa! E qual a primeira coisa que você pensa quando se fala em páscoa? Obviamente, ovos de chocolate, coelhos, chuva, e mais chocolate! Ao invés de lembrar dos hebreus no Egito ou no sacrifício de Jesus, a única coisa que você pensa é em entupir as artérias e ganhar uma injeção de açúcar na testa, seu esqueleto movido a peido!

A propósito, é meu aniversário também, me mandem jogos na Steam.


Enfim, eu tava olhando os filmes que eu tinha baixado lá em 2013, e vi que ainda não tinha resenhado Watership Down, então achei que era bom tirar logo esse peso das minhas costas. Então o lançamento dele num período de páscoa é totalmente aleatório.

Mas você ainda é um ser desprezível.


Então, vamos dar uma olhada nesse filme que leva reclamações de pais à Comissão Britânica de Classificação de Filmes.




A história conta sobre um grupo de coelhos que decidem fugir do local em que vivem, baseado nas previsões de Fiver sobre um grande mal que estava por vir. O grupo terá que passar por várias dificuldades não só pra encontrar algum lugar apropriado, como também encontrar fêmeas pra que possam reproduzir, já que é a época de acasalamento. Ao mesmo tempo, terão que enfrentar um clã de coelhos liderado por um general que reina com mão de ferro.
...pata de ferro.

Assim como Bambi, essa é uma história sobre sobrevivência, sobre ciclo da vida. Mas ao contrário do filme Disneyano, Watership Down é interessante e empolgante. Os personagens são um tanto quanto simples, mas ao mesmo tempo te mantém interessado quanto ao que eles vão fazer em seguida. Tu de fato consegue gosta de acompanhar a jornada desse bando, e começa a torcer por eles quando as coisas ficam pretas.

Por serem animais irracionais, a simplicidade deles funciona perfeitamente bem e evita que a história fique desnecessariamente complicada, bem como manter a consistência quando eles tomam alguma atitude drástica que traz a idéia de instinto de sobrevivência.


E é incrível como mesmo sendo coelhos realistas, os desenhistas conseguiram dar a cada um deles uma aparência única e condizente com a personalidade. Os coelhos em algum cargo são grandes e fortes, tu sente o peso de comando deles; Fiver é magro e tem olhos grandes, o que ajuda na expressão de quando ele começa a ter visões e ficar agoniado por causa delas; seu irmão Hazel já é mais um coelho comum, representando a calma que ele tem que dar a Fiver, bem como sua aptidão como líder. E embora nem todos os coelhos tenham características marcantes ou tu lembre do nome deles, eles ainda são reconhecíveis por si só.

Alguns se sentem mais como encheção, verdade, mas creio que porcausa do tempo mesmo não dava pra desenvolver todos como em um livro. Ou na série animada de 99.

A animação é meio... Oscilante. Eu acredito que 70% do orçamento tenha ido pros backgrounds, mas eu nem posso reclamar. É um dos filmes com melhores cenários que eu já vi na minha vida. Incrivelmente vivos, variados, belos e bem pintados; e com uma paleta de cores que evoca a dura realidade quando precisa, mas também sabe ser convidativa e quente. Eu tenho um soft spot pra cenários bucólicos britânicos, tendo crescido com Tots TV, Jardim da Matemática de Peter Rabbit, Teatro dos Contos de Fada, Rupert e Bill & Ben; mas mesmo com essa nostalgia de fora da equação, os cenários são ridiculamente lindos e funcionais.


Mas infelizmente, a animação é que acaba sofrendo por isso. Não que ela seja ruim, mas em vários momentos tu nota que ou o time não era muito experiente, ou eles tiveram cortes graves de orçamento, porque frames são ignorados, cortando a fluidez dos movimentos; animações são reutilizadas; e a sincronia labial é muito estranha.

Mas talvez seja pela complexidade dos personagens, também. Animar animais realisticamente ao mesmo tempo que tenta dar uma certa personalidade pra eles é complicado, e quando a animação precisa ser mais fluida pra, digamos, uma cena de ação, ela é bastante natural e funciona perfeitamente.



A trilha sonora é boa, mas não deixa nenhuma marca em especial. Entretanto, elas cumprem sua função de dar o clima necessário da cena muito bem.


Embora o filme aparentemente adapte fielmente o livro (eu nunca li e não vou ler tão cedo), ele tem alguns problemas da adaptação, como não explicar alguns termos da linguagem dos coelhos.

Mas isso é o de menos, porque ele ao menos DÁ uma linguagem pros coelhos, não só isso mas todo um lore. O filme mesmo começa com a versão dos coelhos de como surgiu o mundo e os animais, e é incrivelmente criativo e verossímil, dando até foreshadowing de uma forma bastante natural.


Quando tu vê um filme, ou lê um livro, um gibi, seja o que for, tu procura por algo específico. É mera diversão, passatempo, aprender algo sobre a vida, ver as coisas de um outro ângulo. No final de Watership Down, eu fiquei me perguntando o que eu deveria ter aprendido sobre esse filme, já que eu não via nada muito claro ou palpável. Eu sou um ser que pensa de forma muito concreta e direta.


Mas às vezes a vida natural é suficiente, e em Watership Down vemos algo muito específico, que é a sobrevivência de uma espécie. Porque você deveria se importar com esse filme? Eu sei lá. Se tu gosta de histórias de superação, de sobrevivência, de um grupo tentanto permanecer unido mesmo diante de todas as adversidades, em um contexto pouco comum e até brutalmente violento às vezes, esse filme é pra ti.

Provavelmente uma das cenas mais
leves em termos de violência.

Esse não é um filme que gere bonequinhos, ou que tenha uma mensagem muito profunda. É meramente a vida como ela é, em todas as suas cores (nesse caso, vermelho é uma das principais). É legitimamente uma pérola da animação, e talvez mereça mais de uma assistida. O que é um sinal de uma boa história, tu fica voltando a ela em busca de respostas.

É um filme memorável, mas não é pra todo mundo. Mas se tu se encaixa no perfil que eu descrevi, certamente é um filme que merece ser visto e revisto.

0 comentários:

Postar um comentário