Final Fantasy - Spirit Within



Eu não sou exatamente um fã de Final Fantasy. Mal joguei 3 jogos, nunca zerei nenhum, enfim. Mas eu conheço boa parte da mitologia, das mecânicas, dos personagens, piadas internas…

E o mais perto que cheguei de zerar algum Final Fantasy foi zerando Kingdom Hearts.

Ainda bem que esse filme não tem nada a ver com Final Fantasy.







Vamos botar logo pra fora. Graficamente o filme é impecável. As texturas fotorrealistas, o movimento dos cabelos são belos e naturais, imperfeições no rosto, os cenários são belissimamente detalhados, tudo tá perfeito visualmente, melhor até que Avatar, mais limpo, menos poluído.

Mas… A história é… Meh.

Mais do mesmo: a Terra foi invadida por aliens chamados de Phantoms, porque eles podem se camuflar, e dizimam a população mundial, obrigando os humanos a se refugiarem em cidades protegidas. A cientista Aki Ross foi infectada por um Phantom, mas de alguma forma sobreviveu, o que fez o Dr. Sid acreditar que achando 8 formas de vida (incluindo Aki) com essa capacidade de sobreviver aos Phantoms eles encontrem a resposta pra vencer os Phantoms.

E se não fossem os gráficos bonitinhos desse filme, ele seria facilmente esquecido.

Não bastasse a história ser bem clichê, ela ainda fica confusa. No decorrer do filme eles não se importam de explicar muita coisa pro público, seja o relacionamento entre Aki e o capitão dublado pelo Alec Baldwin cujo nome eu nunca lembro; seja os diálogos terrivelmente escritos e difíceis de entender.

Eu juro, teve momentos que eu tive que rever umas 7 vezes até entender do que raios eles tavam falando. Negócio era mais falta de conhecimento prévio sobre algumas coisas. O que é perdoável quando se tem, por exemplo, Final Fantasy 7: Advent Children, porque é uma continuação do jogo e se supõe que se tu vai ver, é porque zerou o jogo (e todos os 10 spin-offs dele). Eu vi Advent Children sem nem jogar FF7, e fiquei confuso. Mas aceitei justamente por isso. Aqui, onde é uma história original, essa falta de explicação só mostra falta de habilidade ao escrever.



E tem diálogo que simplesmente não fazem sentido, como o Esteriótipo Militar Negro falando “Não há relação [entre os diferentes tipos de phantoms]. Lá fora é como um zoológico.”

Sim, tem o Esteriótipo Militar Negro, Esteriótipo Militar Mulher Durona, e o Esteriótipo Militar Novinho e Metido a Engraçado. Esse é outro problema, não tem personagens, tem caricaturas, esteriótipos de esteriótipos. Não tentam nada pra serem únicos. Mesma coisa com os protagonistas. Em certo momento, o Capitão Dublado pelo Alec Baldwin quase morre, e a única reação que eu tive foi “Ok, ele vai morrer. Vamos continuar”.

No final do filme eles fazem uma marmotagem tão loca que aparentemente era quase um Rule-Bending, mas eu tava cansado demais pra reclamar, então deixa o filme acabar mesmo.


O único personagem que eu cheguei perto de gostar foi o Dr. Sid. Não porque ele fosse simpático, mas porque o ator dele (e até a atuação do personagem digital) de fato se esforçavam mais. Ele era o único personagem que se movia com mais naturalidade, porque até os outros em certos momentos não se moviam com a naturalidade que era necessária.

E os conceitos dos aliens é original e muito bom, mas é uma pena ser desperdiçado aqui. Eu não sei se conta como spoiler, mas que seja. Eles são basicamente fantasmas, porque eles morreram quando chegaram na terra, e por isso são quase impossíveis de serem mortos.

...ainda assim são atingidos por balas, mas de novo, o filme tá acabando, deixa rolar.


O filme não foi bem na bilheteria, recebeu críticas mistas, e a Square Picutres praticamente faliu (mas ainda fizeram um curta pra Animatrix). O que é uma pena, porque a tecnologia visual poderia ter sido aprimorada.

O filme de fato não brilha. História clichê demais, personagens tão complexos quanto uma bola de futebol, diálogos em estágio de reescrita, e um desenrolar confuso. Mas com gráficos belíssimos.

E hey, pelo menos eles fizeram isso.
















0 comentários:

Postar um comentário