Titan A.E.




Enquanto eu pesquisava sobre Fantasia Final: O Espírito do Interior, eu redescobri um filme que eu vi umas duas ou três vezes, na TV Globinho.
Agora que eu percebi, em alguns anos, “TV Globinho” será um sinal de idade, assim como o Complexo citando a TV Manchete.

Enfim, eu achei mais que justo rever esse filme, porque eu tinha boas lembranças dele.


Então, vamos lá. Titan A.E..




A história do filme começa quando aliens chamados Drej invadem a Terra, e a destrói. Alguns humanos conseguiram escapar e são tratados como escória nos outros planetas, mas ainda conseguem trabalho.

Um rapaz chamado Cale é filho de um cientista que tinha um projeto secreto. Mas ele acaba morrendo durante a invasão.
16 anos depois, Cale descobre que o anel que seu pai deu cria um mapa em sua mão que aponta pra esse projeto, e junto de um amigo do seu pai e uma equipe pra lá de maluca, eles vão viver altas aventuras de tirar o fôlego até achar o tal projeto.


Eu não sou familiarizado com os trabalhos de Don Bluth. Os únicos que eu lembro de ter visto mesmo foram os vinte Em Busca do Vale Encantado e An American Tail. Esse é o último filme de Don Bluth, que até hoje não deu certeza de voltar ao mundo da animação.

Isso porque depois do fracasso de bilheteria, a FOX fechou o estúdio (que só havia feito Titan A.E. e Anastacia, alguns anos antes).

E… É, compreensível. O filme não é lá essas coisas. Mas como filme pipoca, é muito bom.

Temos todos os clichês de personagens e até do início dos anos 2000 (as músicas letradas que tocam em alguns momentos-chave são hilárias, de tão datadas que são); a premisa é bem básica (garoto normal, descobre ser a única salvação dos humanos, grande jornada); e ele tem momentos de ação que são divertidos de se acompanhar.

Em termos de roteiro e criação de mundo, ele tem várias inovações. As estações que os aliens vivem, o que eles fazem, como se comportam, o que aconteceu com os humanos, os planetas, tudo tem um toque criativo bastante interessante que não dá pra não gostar.


Os motivos dos Drej de querer dizimar a população humana também é interessante… -ish. Digo, sim, eles querem acabar com a raça humana, nem que mantenha eles separados de seu povo e fracos moralmente, isso porque eles tinham medo do que os humanos podiam se tornar. Isso de fato faz sentido. Mas nós não vimos nada que possa provar o ponto deles, o tempo que passamos na Terra antes da invasão é praticamente nulo, o filme começa já na invasão. Não é que seja uma motivação ruim, só a execução que não foi completada.

Os personagens, como eu falei, são clichê, e você sabe o que vai acontecer só de olhar pra eles, mas, ainda assim, eles conseguem de certa forma criar interessantes twists com isso, e que de fato fazem sentido.


A animação é… Um negócio meio estranho. Não me entendam mal, ela é boa, tenta emular bem o estilo da Disney, mas na maioria do tempo das atuações, a forma que as bocas se mexem… É meio desajeitado, é quase como as cutscenes de um Final Fantasy de PS2, ou Kingdom Hearts 2.


Alguns cenários (como as naves e o interior das mesmas) são feitos por computação gráfica, algo que foi usado anos antes em A Bela e a Fera. Mas aqui às vezes não mistura bem. É um meio-termo entre A Bela e a Fera e aquele desenho bizarro do Homem Aranha.
Você escolhe, o de 94 ou da MTV.


Titan A.E. é um filme fácil de se acompanhar, com um plot simples, mas com certas nuances interessantes, ambientado num mundo com um design interessante. Como filme pipoca, é uma pérola subestimada, e recomendo dar uma olhada ou duas.












0 comentários:

Postar um comentário