Titio Noel




Essa é outra grata surpresa desse ano. Quando eu vi o pôster e vi que Vince VÁUN e Paul JIAMATE tavam nesse filme, eu revirei os olhos e fiquei "oh, boy, aqui vamos nós de novo". Mas o que eu encontrei foi um filme com coração e com várias idéias criativas.

Talvez não tão bem executadas, mas criativas.


Vem comigo.



Alguém fez um Clausverse, por falar nisso? Juntar o canon de Santa Clause, Santa Baby, Fred Claus, e outros do tipo? Se fizeram um dos filmes do Adam Sandler, porque não um do Noel?

Aliás, qualquer um que veja todos os filmes do Adam Sandler e ainda por cima tente unir todos eles num mesmo universo merece um prêmio. Eu terminei Pixels com meus olhos sangrando Fanta Uva, pelo amor do raio.


Enfim. Tudo começa há trocentos anos atrás. Os animais viviam em harmonia com os lenhadores, a vida era boa, crianças brincavam de esconde-esconde na floresta e voltavam duas semanas depois sem as roupas e falando a língua dos lobos, e a revista Recreio ainda custava 3,90. Quando nasce Nicholas Claus, um bebê gordo e que não chora ao nascer, ao invés disso ele fala "Ho, ho ho". Seu irmão mais velho, Fred, promete ser o melhor irmão mais velho do mundo.

Eu esqueci de tirar print deles moleques,
então aqui vai Vince dando uma cotovelada
num Papai Noel de enfeite.

Mas Nicholas tinha um dom pra agradar às pessoas, e presenteá-las. Instantaneamente, ele começa a agradar todo mundo, exceto Fred, que começa a ser comparado demais a Nick pelo pais, e sente que vive na sombra do irmão menor.


Passam-se os anos, e Nick é... Canonizado? Eu sei lá o termo, mas ele vira o Papai Noel. Aparentemente ser extremamente generoso te garante um lugar num dos lugares mais inóspitos da Terra, pra ter uma fábrica de brinquedos usando mão-de-obra semi-escrava de criaturas fantásticas, e te dá a liberdade de entrar na casa dos outros pra entregar presentes e comer biscoitos com leite.

Mas eu divago, esse filme não é sobre Nick, mas sim sobre Fred.


Frederico Noel em mais uma
quarta-feira comum.


Como ser fantástico, agora Nick e sua família são imortais, o que inclui Fred, que hoje trabalha no ramo de mudanças ou algo assim... Nunca é bem explicado, eu acho. Mas ele tem grandes planos de abrir um cassino na rua em frente a um banco, mas precisa pagar uma dívida, e recorre ao seu irmão Nick, que resolve que só vai pagar caso Fred passe uns dias com ele no Pólo Norte, já que nunca foi visitado pelo caçula.

Mas Fred é interpretado pelo Vince VÁUN, o que implica que ele tem não só problemas financeiros, mas também problemas com sua namorada, que até um dia desses nem sabia que ele tinha um irmão.





No entanto, Nick tem seus próprios problemas, quando um executivo de sabe-se lá daonde diz que a produção da fábrica do Noel caiu, e caso Noel cometa 3 erros, ele tem autorização pra fechar a fábrica.


Pff, amador. YouTubers passam por esse problema diariamente, sem sequer ter culpa.
PTÚ! PTÚ, eu digo!

Aliás, esse cara trabalha pra quem? Pro Lobo?

...duas pessoas vão entender essa referência.
...que foi malfeita, anyway e... ah, seguindo, vamo.





Eu não sou muito acostumado com as comédias envolvendo Vince. Eu vi um pedaço de Os Estagiários e vi De Repente Pai, o qual eu gostei bastante, na verdade. O estilo de tragicomédia permanece em Fred Claus, e embora Vince tenha muitos traços do personagem do filme semi-Disneyano, ele ainda consegue andar com as próprias pernas e ter uma personalidade própria. Só é extremamente parecida.

E sim, eu falei sério, Delivery Man foi distribuído pela Touchstone/Disney, então tecnicamente conta.
O filme de Need for Speed também, caso queira saber.


Vince consegue um equilíbrio entre ser um cara relaxado e com mágoas de infância e ainda ter alguns valores que criam uma simpatia com o público. Ele tenta ajudar o Elfo-chefe, ele tenta fazer o trabalho dele o melhor que pode, mesmo atrapalhando a produção... Ele tem genuinamenteboas intenções, ele só tá perdido.

Que, aliás, é um tema interessante e que eu não ouso spoilar pra vocês.






Paul Diamante também tá ótimo como Noel. Eu tinha medo de que ele ficasse caricato demais (já que a imagem mais forte que eu tenho dele é em O Grande Mentiroso e Planeta dos Macacos do Burton, mas eu sei que ele consegue fazer um papel sério, como em Saving Mr. Banks). O Noel dele é bastante amável, mas ainda é um cara estressado com seu trabalho. Ao mesmo tempo, tenta sempre fazer o melhor possível pra sua família e funcionários, e talvez seja justamente isso que o tenha deixado estressado.

Ambos os personagens são perfeitamente compreensíveis e identificáveis, e seus plots de fato conseguem ser interessantes.





E claro, os sets são magníficos. A CG usada por várias vezes é tão falsa que você conseguiria notá-las de olhos fechados, mas quando funciona, realmente funciona, e às vezes a sensação de falsidade ajuda a criar um clima de sonho no ambiente.

Exceto nos elfos, aquilo tá feio mesmo.




Embora tente ser uma comédia, é o drama dos dois irmãos que faz com que o filme seja grande. Há um amor entre os irmãos e uma confusão não-resolvida desde a infância (aliás parabéns pros atores pirralhos, eles fizeram um trabalho fantástico no começo do filme). Algo que é resolvido de forma adorável e calorosa.




Eu assisti esperando uma tragicomédia meio slice of life fantasiosa, encontrei uma excelente história entre dois irmãos, fantasia, reconciliação familiar, e a eterna busca pra compreender o outro. Definitivamente vale a pena assistir.



0 comentários:

Postar um comentário