Os Quatro Aventureiros

matar quem, amigo?

Há uma regra da vida que diz que, se você gostava de algo antes dos 15 anos, é provável que essa mesma coisa hoje te seja intragável, literalmente e criticamente ruim. Se não é, provavelmente passou no teste do tempo.

Eu tenho quase certeza de que agora mesmo cê pensou em algum desenho, série, ou filme muito específicos. Pra mim, eu lembrei de Superamigos e Rocket Power. E embora algumas coisas tenham se mantido ridiculamente bem com o passar dos tempos, outras coisas mostram o quão idiotas éramos.

Semana passada vimos que Gatos Não Sabem Dançar ainda se sustenta como um bom filme pra crianças, mas eu mencionei que foi porcausa de outro filme que eu achei esse. Eu procurava por um filme que eu não lembrava absolutamente nada, fora alguns flashes curtos, e que passava no SBT, no Cinema em Casa.


Sem mais delongas... Ugh. Os Quatro Aventureiros.





A história tem como base o conto Os Músicos de Bremen, onde um burro, um cão, um gato e um galo se reúnem pra serem cantores e acabam prendendo ladrões no processo. Basicamente, uma versão animalesca e menos engraçada de Josie e as Gatinhas da Hanna-Barbera.

O plot do filme é um pouco mais desenvolvido. O cachorro é expulso pelos seus donos, por ser incapaz de caçar raposas. O burro é substituído por um centauro-robô feito em CG; a gata herdou uma herança de sua dona e os parentes vivos deram um jeito de se livrar dela, e o galo foi expulso pelas galinhas ou algo assim.

Assim, eles decidem ir pra Paris ser músicos, mas devido a uma confusão nas placas eles acabam em Bremen, uma cidade governada pelo mesmo pessoal de AKB0048, porque música é algo proibido por lá.


Mesmo assim, eles acabam contratados por uma fábrica de salsicha, que precisava de garotos-propaganda e alguém pra cantar o jingle deles. Nisso, os heróis vão descobrir... Algum segredo... Eu acho. Porque a fábrica é do mal... Eu acho.

Eu assisti a versão dublada, e por algum motivo, alguns pedaços tavam em alemão. Não, eu não fui atrás de uma versão em inglês pelo simples motivo de que eu não quero sofrer de novo. Meu Deus, como esse filme é ruim!

Embora eu dê crédito a eles por tentarem fazer uma história mais séria, desenvolvida e original com o conceito da lenda, o filme não consegue se sustentar, começando pela animação.



A animação 2D é sofrível, mas nada que seja espetacularmente ruim. Se fosse um filme pra TV seria compreensível, e talvez até mais refinado. Mas é um filme pra cinema com um orçamento equivalente a um pacote de Trakinas Mini e uma caixinha de Nescau pra cada funcionário, então a animação acaba sendo fraca. Os personagens não tem peso algum, as orelhas e caudas estão sempre em movimento, até quando não precisam, e com isso acaba ignorando algumas leis da física. É como se a gravidade fosse totalmente irregular, e ficasse mexendo nos personagens o tempo todo.

A animação 3D-pelo amor do Ed Catmull... A animação 3D é algo um pouco melhor do que ReBoot. O que faz sentido, já que o filme saiu no mesmo período da série. Mas era o tempo do início da Pixar, um ano depois eles lançariam Vida de Inseto, e em 97 mesmo era lançado Geri’s Game.

“Ora Kapanes, eu não entendi, você quer dizer que foi uma falha eles experimentarem essa nova e maravilinda tecnologia que era a Computação Gerada por Computador?” Não, meu caro leitor que conversa mentalmente comigo. Se é um experimento, faça, é ótimo testar possibilidades novas misturando tecnologias. Faz um filme misturando CGI, animação tradicional e stop motion, como Paranorman fez em um momento. Mas meu ponto é: ficou horrível.

Tipo, horrível MESMO.



Olha essa praga. Eles usam CGI pra coisas relacionadas a tecnologia em si: a fábrica, o controle da fábrica, o centauro-robô. Mas é escancarado na sua cara que é CG, e a cena fica estranhíssima quando um personagem 2D segura um objeto 3D. Se fosse feito com cel-shading, um 3D querendo imitar 2D, provavelmente ficaria melhor.
A CG em si já é ruim por si só, quando colocado junto do 2D, fica mais estranho ainda. Meu Deus, essa CG faz com que do Oddworld do PS1 se pareça com Procurando Dory! É totalmente compreensível alguém dizer “ok, mistura 2D com 3D”, mas quem raios autorizou eles a continuarem depois de verem os testes? Alguém viu as cenas de teste? Alguém FEZ cenas de teste?

O roteiro é um desastre. Os personagens são tão profundos quanto um sakazuki (aquele pires de beber sake, não o personagem de One Piece). O cachorro é fiel, a gata é delicada e sedutora, o galo é espalhafatoso e o burro é inocente.

Aliás, o cachorro tem um modo Hulk, que é usado exatamente duas vezes no filme. Na primeira é estabelecimento da habilidade, e na segunda é usada pra fugir da prisão, onde ele sobe nas paredes e explode as grades. Minha teoria é que essa foi a única saída que acharam pro momento, e tiveram que criar essa habilidade pra ele, editando o começo do filme.

E vocês achavam que eu tava zoando

Fora essas características fixas, não há nenhum desenvolvimento dos personagens. O que você vê é o que você tem. E eles sequer conseguem cantar direito, porque as músicas são tão melosas e mal escritas que elas me machucam fisicamente. É como se o roteiro e as músicas do filme fossem escritas pelo sobrinho de 12 anos do diretor, onde na mente dele, ele tava escrevendo uma história muito profunda e complexa, de acordo com os clichês que ele é acostumado a ver nos filmes. O que inclui um casal se formando no final.

Sim, sem mostrar nenhuma química ou relação, o cachorro e a gata começam a namorar, com uma música tão, mas TÃO melosa e clichê, que eu tive que rever ABC do Amor pra recuperar um pouco da minha dignidade.
...ok, essa última parte é exagero, eu nunca vi ABC do Amor completo. Mas ainda assim!



Esse filme é uma catástrofe, eu não faço idéia como raios alguém olhou pra esse filme e achou algo aceitável. Eu sinceramente acredito que esse filme seja algum modo de lavagem de dinheiro, na mesma linha do Uwe Boll.

Se bem que no caso do Boll não era bem lavagem de dinheiro e... Ora, vocês me entenderam!

Ao menos alguns backgrounds são interessantes.

0 comentários:

Postar um comentário